Palestras
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Registrar-se
Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Chat
Últimos assuntos
» Ajuda Mútua - Uma forma simples de ganhar dinheiro
Ter Maio 22, 2012 2:12 am por Fog

» Os girassóis e nós.
Ter Jan 10, 2012 6:32 am por carine

» Missa Canção Nova 20/111/2010
Seg Nov 22, 2010 2:51 pm por regina

» Não Percam hoje Padre Fábio no programa Todo seu
Sex Nov 19, 2010 2:51 pm por regina

» NOVO LIVRO DE PADRE FABIO!
Qui Nov 18, 2010 3:46 pm por regina

» Programas de 2010
Sab Nov 13, 2010 12:33 pm por regina

» DVD ILUMINAR
Sex Nov 12, 2010 1:27 am por regina

» Show Padre Fábio em Ilhéus dia 05/11/2010
Dom Nov 07, 2010 4:48 pm por regina

» Show em Aparecida 10/2010
Sex Out 15, 2010 12:23 am por regina

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Patrocinadores
Musica

marcas do eterno - Fabio de Melo

Compartilhe | 
 

 O MITO DO AMOR ROMÂNTICO

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
regina
Admin
avatar

Mensagens : 981
Data de inscrição : 04/08/2008

MensagemAssunto: O MITO DO AMOR ROMÂNTICO   Seg Out 06, 2008 12:43 am

O MITO DO AMOR ROMÂNTICO



O mito do amor romântico parece ter entrado na sociedade ocidental na Idade Média.
O mito do amor romântico é muito mais que uma forma de amor. É todo um conjunto psicológico, tecido de expectativas e idealizações onde pessoas e realidades são inseridas.
No mito do amor romântico a paixão prevalece. O outro acaba se tornando uma construção, cujos tijolos foram retirados dos insondáveis terrenos de nossas carência e necessidades.
No mito do amor romântico, a pessoa amada é vista, de forma consciente ou não, como a primeira responsável pela satisfação dos desejos e necessidades de seu amante.
Jung, grande nome da Psicologia contemporânea, demonstrou, por meio de sua reflexão, que quando um indivíduo vive um importante e marcante fenômeno psicológico, um grande potencial inconsciente está vindo à tona, emergindo, prestes a manifestar-se ao nível da consciência. Segundo ele, o mesmo pode ser dito quando o assunto é coletividade. Do inconsciente coletivo de um povo pode surgir uma nova idéia.
Histórias contadas pelo povo são histórias que narram sobre o povo. As construções míticas e as elaborações folclóricas de uma cultura revelam o bojo de suas compreensões e estruturas.
A literatura é o lugar desta revelação. Um exemplo disso são os contos de fadas.
Elas evocam o sonho do ser humano tem de protagonizar uma história de amor perfeito.
Tudo construído para tentar ilustrar o profundo psicológico de um povo que precisa resolver suas carências e necessidades.
Veja bem. No mais diversos relatos de amor que pertencem à literatura, o mito do amor romântico prevalece no momento em que a realidade é construída a partir de seres humanos idealizados.
No mito do amor romântico, o sofrimento é sempre portal da casa. Não há sofrimento na continuidade dos relatos. A expressão “felizes para sempre” funciona como uma negação do processo comum dos humano...
A vida real não corresponde aos relatos dos contos de fadas. Não estamos acostumados a encontrar fadas madrinhas que transformam, num toque de mágica, a borralheira em princesa admirável. O processo humano é doloroso. A vida nos mostra que transformações mágicas não existem, da mesma forma como amores perfeitos estão distantes de nossos olhos..
O que temos e podemos é a aventura de encontrar alguém, e ao lado dele construir uma história de vida comum, felicidade que nasce do duro processo de sermos promotores uns dos outros por meio do amor que sentimos.
O sonho que sonhamos não pode ser projeção infértil. Ele tem que estar sempre preso a realidade, afinal, é nela que estamos sustentados.
A vida nos demonstra que a gênese das frustrações humanas está na inadequação entre aquilo eu sonhamos para nossa vida com aquilo que está de fato nos acontece. O grande problema não está em sonhar alto. Isso é fácil. O difícil está em continuar vivos quando o pedestal do sonho não suporta o nosso peso e dele caímos.
Somos preparados para o sonho alto, mas ainda não aprendemos a nos manter vivos quando a vida é rasa. Não somos treinados para o último lugar do pódio, mas sim para o primeiro.
A infância é o tempo dos heróis.
A construção do herói está a serviço da projeção que nos retira da realidade. Infância é o tempo das idealizações. Todos nós fomos marcados pelos heróis de nossos tempos. Legitimavam nossa insatisfação com nossa condição de limite e precariedade.
Um herói é. Para uma criança, uma idealização que lhe permite criar um mundo próprio.
Na saga dos heróis, todas as fragilidades humanas parecem redimidas. Neles e por eles deixamos de esbarrar nos limites que nos envergonham e nos expõem frágeis.
Pode nos parecer estranho, mas essa compreensão também está, de alguma forma, enraizada no mito do amor romântico..
Podemos identificar na verdade que, antes de o mito do amor romântico atingir as relações, ele atinge a forma como o ser humano interpreta a si mesmo..
Pode nos parecer estranho, mas quanto maior é a negação dos limites que nos são próprios, maior parece ser o domínio que eles exercem sobre nós.
Pois bem, sair do contexto dos heróis requer esforço.
Um dos elementos que acena para nosso amadurecimento como pessoa é justamente nossa capacidade de enfrentar a realidade sem as facilidades da fuga.
É claro que a vida não é possível sem projeções. O importante é estabelecer um equilíbrio entre aquilo que projetamos e aquilo que podemos esperar de nós mesmos.. Entre o que podemos e o que não podemos está o espaço do crescimento que nos favorece a conquista da condição de pessoa..
Toda vez que recusamos os limites de nossa condição e nos, imaginamos como heróis invencíveis, de alguma forma estamos, desfazendo o equilíbrio que pode nos fazer crescer. Há sempre o risco de querermos fazer o outro a ser a medida de nosso desejo.
No momento em que identificamos essa inadequação, no instante em que percebemos que o outro não é perfeito, desfaz-se o encanto.
Amar não é cultivo de perfeição, mas o contrário. É empenho de superação de limites. É cultivo constante que nos aproxima da realidade e que nos capacita para continuarmos desejando que o outro continue ao nosso lado.
Amar é exercício de descobrir o que o outro tem de mais lindo, mas também de mais vergonhoso. Amores perfeitos só existem nas projeções. Ou nos jardins...


Obra: Quem me roubou de mim? O seqüestro da subjetividade e o desafio de ser pessoa
Autor: Fábio de Melo
Editora: Canção Nova
Páginas.106 á 113
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://padrefabiodemelo.forumbrasil.net
 
O MITO DO AMOR ROMÂNTICO
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» "O grande e imenso amor de Deus, a graça de Jesus Cristo, Seu filho, e as doces consolações do Espírito Santo, sejam para com todos aqueles que Nele crê, não só hoje, mas para todo sempre." E em confirmação a igreja diz: "Amém!"
» "Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé"
» Amor de Deus... o Grande Amor de Deus pelos homens
» Morar no Céu: realidade ou mito?
» Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Padre Fábio de Melo :: Forum :: Geral :: Livros-
Ir para:  

marcas do eterno - Fabio de Melocriar um fórum | © phpBB | Fórum grátis de ajuda | Assinalar uma queixa | Criar um fórum