Palestras
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Registrar-se
Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Chat
Últimos assuntos
» Ajuda Mútua - Uma forma simples de ganhar dinheiro
Ter Maio 22, 2012 2:12 am por Fog

» Os girassóis e nós.
Ter Jan 10, 2012 6:32 am por carine

» Missa Canção Nova 20/111/2010
Seg Nov 22, 2010 2:51 pm por regina

» Não Percam hoje Padre Fábio no programa Todo seu
Sex Nov 19, 2010 2:51 pm por regina

» NOVO LIVRO DE PADRE FABIO!
Qui Nov 18, 2010 3:46 pm por regina

» Programas de 2010
Sab Nov 13, 2010 12:33 pm por regina

» DVD ILUMINAR
Sex Nov 12, 2010 1:27 am por regina

» Show Padre Fábio em Ilhéus dia 05/11/2010
Dom Nov 07, 2010 4:48 pm por regina

» Show em Aparecida 10/2010
Sex Out 15, 2010 12:23 am por regina

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Patrocinadores
Musica

marcas do eterno - Fabio de Melo

Compartilhe | 
 

 SUPERANDO AS IDEALIZAÇÕES

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
regina
Admin
avatar

Mensagens : 981
Data de inscrição : 04/08/2008

MensagemAssunto: SUPERANDO AS IDEALIZAÇÕES   Ter Out 28, 2008 11:40 pm

Mundo projetado é mundo idealizado. Ideal étudo aquilo que compões o objeto de nossa mais alta aspiração. O ideal pode ser muito ser muito benéfico na vida humana porque ela a movimenta constantemente.
O ideal o projetado, só tem sentido para a vida humana se ele conduz para o movimento que a aprimora. Em outras palavras: o sonho só vale a pena se estiver preso à realidade.
Ainda na perspectiva dos malefícios que o mito do amor romântico provoca na vida das pessoas, continuamos a identificar a idealização do outro como forma de sequestro. A literatura que socializa a mentalidade do mito do amor romântico, perfeito, assegura que a pessoa ideal existe.
Essa mentalidade é responsável pelas relações tão marcadas pela transitoriedade nos dias de hoje. Pessoas se elegem e se desprezam com muita facilidade. É a vida e suas relações tão estranhas.
Uma coisa é certa: nós sabemos quem somos, mas os outros nos imaginam. No ato de imaginar, o outro constrói a pessoa ideal, e essa pessoa ideal não existe, pois o próprio conceito já nos diz. Ideal só existe na idéia. Não existe pessoa ideal e sim pessoa certa. A pessoa certa condensa defeitos e qualidades, e a somatória de tudo resulta uma realidade pela qual o outro se apaixona.
Tudo que é "certo" refere-se a uma forma de regularidades.
"Certo" também diz respeito àquilo que é verdadeiro. Pois bem a verdade não é a expressão de perfeição, mas a demonstração da realidade como ela é. A verdade é a coerência estabelecida entre o discurso e a realidade sobre a qual o discurso foi feito.
Essa perpectiva é muito interessante. Aquilo que digo ser o outro não condiz com sua realidade. O outro não é absolutamente o que eu falei sobre ele. Ele é fruto de uma projeção.
Quando o encontro supera essas expectativas, e as pessoas descobrem a graça de se olharem como são, a relação passa a ser construída a partir da verdade de cada um. A regularidade do conhecimento, da conquista e a constante vigilância para que a verdade prevaleça favorecem o surgimento de um amor maduro e sem idealizações. E a somatória de defeitos e qualidades. O resultado final é fator decisivo para saber se a relação é satisfatória ou não.
O grande problema é que a idealização provoca uma compreensão equivocada do amor. Na idealização, o amor é reduzido à paixão. A paixão é uma ante-sala do amor.
A paixão sobrevive de idealizações e o amor sobrevive da realidade. A paixão sobrevive do prazer. Já o amor sobrevive do desejo. Paixão só aprendeu a ficar por pouco tempo. O amor gosta de permanecer a vida inteira.
O processo que nos leva a conhecer outras pessoas sempre começa em visões de superfície. A profundidade só é alcançada à medida que avançamos os territórios do outro.
A paixão é o resultado da primeira vista, dos primeiros detalhes do território encontrado, da mesma forma como antipatia natural.
O amor só pode acontecer nas pessoas que atravessaram a ante-sala da paixão. Somente depois de conhecidos limites e virtudes é que o amor é real.
É por isso que relações humanas são como pontes.
Pontes são simbólicas. Elas estabelecem vínculos. Por elas cruzamos os obstáculos que dificultam a nossa chegada ao outro lado.
É a atitude simbólica, que constrói e facilita os vínculos.


Obra: Quem me roubou de mim? O sequestro da subjetividade e o desafio de ser
pessoa.
Autor: Fábio de Melo
Pág. 119-123
Editora.Canção Nova.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://padrefabiodemelo.forumbrasil.net
 
SUPERANDO AS IDEALIZAÇÕES
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Padre Fábio de Melo :: Forum :: Geral :: Livros-
Ir para:  

marcas do eterno - Fabio de Melocriar um fórum | © phpBB | Fórum grátis de ajuda | Assinalar uma queixa | Fórum grátis