Palestras
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Registrar-se
Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Chat
Últimos assuntos
» Ajuda Mútua - Uma forma simples de ganhar dinheiro
Ter Maio 22, 2012 2:12 am por Fog

» Os girassóis e nós.
Ter Jan 10, 2012 6:32 am por carine

» Missa Canção Nova 20/111/2010
Seg Nov 22, 2010 2:51 pm por regina

» Não Percam hoje Padre Fábio no programa Todo seu
Sex Nov 19, 2010 2:51 pm por regina

» NOVO LIVRO DE PADRE FABIO!
Qui Nov 18, 2010 3:46 pm por regina

» Programas de 2010
Sab Nov 13, 2010 12:33 pm por regina

» DVD ILUMINAR
Sex Nov 12, 2010 1:27 am por regina

» Show Padre Fábio em Ilhéus dia 05/11/2010
Dom Nov 07, 2010 4:48 pm por regina

» Show em Aparecida 10/2010
Sex Out 15, 2010 12:23 am por regina

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Patrocinadores
Musica

marcas do eterno - Fabio de Melo

Compartilhe | 
 

 QUINTA UM POETA DE PRIMEIRA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
regina
Admin
avatar

Mensagens : 981
Data de inscrição : 04/08/2008

MensagemAssunto: QUINTA UM POETA DE PRIMEIRA   Qui Mar 26, 2009 11:10 pm

26/03 Quinta, um poeta de primeira.
O nome dele é Marcelo Quintanilha. Os amigos o chamam de Quinta.

Ele chegou em minha vida há quase uma década. Veio no formato de um cd. A voz bonita, afinada e levemente tocada por uma rouquidão charmosa me chamou atenção.

A voz não cantava qualquer coisa. Cantava versos tocados por sensibilidade rara. O cd começava com esta preciosa expressão: "Tava com dó de mim. Tava só, tava sim, tava em São Salvador. Tava são, mas não salvo da dor. Que não deixava eu só, tava assim como um nó, um nó dentro de mim.”

Foi uma descoberta surpreendente. Em pouco tempo as músicas de Marcelo Quintanilha estavam todas ressonantes dentro de mim. O cd se se tornou meu prazer diário, e também minha recomendação aos amigos que sei que apreciam a boa música popular brasileira.

O tempo passou. Tentei descobrir tudo o que pude sobre o jovem compositor. À distância, mesmo sem saber, o Quinta me redimia com sua arte. Não foram raras as vezes que sua música me fez viver a mesma experiência dos versos que citei, de me deixar são, mesmo nos braços da dor. A arte nos alivia o peso da vida. Ela é mãe que recobre o filho com proteção delicada, para que o peso da vida não venha nos danificar as feições.

A arte tem o dom de expiar pecados. Ela nos devolve a coragem no momento em que a fragilidade insiste em soprar em nossos ouvidos a frase da desistência, do abandono da luta.

Nada neste mundo é por acaso. No mês passado, tive o imenso prazer de conhecer Vânia Abreu, uma das vozes mais bonita que a Bahia já nos ofereceu. Irmã de Daniela Mercury, Vânia traz na alma a mesma força da irmã, só que resolveu colocar a força nos caminhos do canto calmo. Sua opção musical lhe fez cantar de maneira preciosa os sentimentos do mundo, e com a mesma competência e vigor de Daniela, Vânia empresta a alma à música, em outros formatos.

Minha surpresa foi grande. Vânia era esposa de Marcelo, o Quinta que me fez são, mas não salvo da dor.

De um encontro nasceu o outro. Quando dei por mim estava na casa do casal, que na sonolência de uma madrugada me recebeu para um jantar. À porta estavam eles. A dona da voz e o dono da música. Donos de tantas coisas. Donos de tantos dons, de tantos mistérios, de tantos encantos, de tantos sonhos.

Eu me senti um menino em noite de Natal. O presente era grande demais para ser aberto de uma vez só. Estava diante de Quintanilha, o compositor que foi divisor de águas no oceano de minha musicalidade. Estava diante da voz rouca, aprimorada, do administrador dos versos que tantas vezes me devolveu o dom de sofrer de alegrias.

Era quarta feira, mas ele já era “Quinta”. Um homem à frente de seu tempo. Uma sensibilidade à frente de todas as outras. Um homem, compositor, pai, amigo, cantor que já pisa o chão da primavera, mesmo quando o frio nos abate.

Ele, Quinta de tantos quintais. Quinta de tantas semanas. Quinta de tantos quintetos!

Ele e a mística da quinta-feira santa, momento em que Cristo lava os pés de seus discípulos e os oferece a eucaristia como sacramento da continuidade.

Marcelo Quintanilha é homem eucarístico. Ele se reparte o tempo todo e se oferece como alimento para a humanidade. Basta chegar perto. Sua arte é seu ofício. É nele e através dele que o Quinta se desdobra em meses e anos. Duração de um tempo que não cabe no tempo, porque pertence à ordem de tudo o que nos toca e nos faz esquecer que o relógio existe. Na canção "Nina" ele canta a alegria de ver a filha chegar. Eu ouvi a canção naquela madrugada, no improviso de voz e violão, e mesmo sem nunca ter experimentado a paternidade biológica, pude sorver o que é a alegria de embalar um filho nos braços...

Poeta bom é assim. Ele nos dá o que nunca foi nosso. Ele é eucarístico. Ele desdobra a vida. Ele endireita os caminhos. Ele nos deixa sãos, mesmo que não estejamos salvos da dor.

Na quarta do meu tempo o Quinta chegou pra ficar.

fabiodemelo.com.br - © 2003/2008 - todos os direitos reservados
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://padrefabiodemelo.forumbrasil.net
 
QUINTA UM POETA DE PRIMEIRA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» FOTO DA PRIMEIRA IGREJA QUADRANGULA NO BRASIL.
» ESCOLA BÍBLICA. Abril 2013 - O Verdadeiro Evangelho. Quinta parte: DEUS O FEZ PECADO POR NÓS
» Primeira lei da termodinâmica
» Surge a primeira brigada cristã no Iraque para combater EI.
» 24 determine em quanto tempo a primeira torneira esvazia 60% do recipiente.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Padre Fábio de Melo :: Forum :: Geral :: Poetizando-
Ir para:  

marcas do eterno - Fabio de Melocriar um fórum | © phpBB | Fórum grátis de ajuda | Assinalar uma queixa | Fórum grátis