Palestras
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Registrar-se
Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Chat
Últimos assuntos
» Ajuda Mútua - Uma forma simples de ganhar dinheiro
Ter Maio 22, 2012 2:12 am por Fog

» Os girassóis e nós.
Ter Jan 10, 2012 6:32 am por carine

» Missa Canção Nova 20/111/2010
Seg Nov 22, 2010 2:51 pm por regina

» Não Percam hoje Padre Fábio no programa Todo seu
Sex Nov 19, 2010 2:51 pm por regina

» NOVO LIVRO DE PADRE FABIO!
Qui Nov 18, 2010 3:46 pm por regina

» Programas de 2010
Sab Nov 13, 2010 12:33 pm por regina

» DVD ILUMINAR
Sex Nov 12, 2010 1:27 am por regina

» Show Padre Fábio em Ilhéus dia 05/11/2010
Dom Nov 07, 2010 4:48 pm por regina

» Show em Aparecida 10/2010
Sex Out 15, 2010 12:23 am por regina

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Patrocinadores
Musica

marcas do eterno - Fabio de Melo

Compartilhe | 
 

 MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA   Dom Nov 15, 2009 10:28 pm

O DIA - 15/11/09

Duas flores. De lis

Flordelis. A poesia do nome se estende pela prosa da vida. Ela é mulher. Espaço humano onde a esperança encontrou espaço para crescer, lançar raiz. Cresceu tanto que oferece em cestos aos que dela se aproximam. Cumpre na carne a proeza de ser simbólica; território que proporciona o encontro da poesia com a atitude.

Nasceu na favela. Cresceu num ambiente marcado pelas restrições. Carência material que não teve o poder de empobrecer a alma. Desafiou a regra simplista que acredita na predestinação que o espaço físico pode impor ao ser que o habita.

Flordelis é um nome bonito. Remete ao contexto da poesia do mestre Djavan, ao lamentar a morte de seu jardim, ao constatar que suas riquezas estão ressequidas, sepultadas pelo poder absoluto da morte. Canção que tem como ponto de partida o discurso da falta, impossibilidade de um amor terminado, esperanças findadas, imposição de um destino que disse não àquele que só desejava ser feliz.

Mas há um detalhe interessante. Aos ouvidos desavisados a canção parece ter nascido de motivos felizes. É que a beleza da melodia não nos permite perceber a tristeza da letra. Coisas de Djavan. Virtude de conseguir revestir de leveza o que é naturalmente pesado e sofrido. Mestria que o poeta tem de tocar as feridas com dedos leves. Ofício de aliviar os pesos que estão colocados sobre os ombros da humanidade.

A poesia de Djavan está costurada nos motivos que movem a personagem de minha estreia nesta coluna. Flordelis é apaixonada pelos jardins que estão aparentemente mortos. Aprendeu a se aproximar dos calvários da vida. Subiu morros, desafiou traficantes, converteu ódio em amor, fez alquimia no coração dos violentos. Ofereceu ternura aos que antes não conheciam a força restauradora da palavra que tem o dom de bem aventurar, isto é, colocar no caminho do bem.

Flordelis não tem muitos recursos. Ela só acredita no poder da palavra. “Basta uma palavra para mudar”. Este é o subtítulo do filme que relata o seu desejo de reflorescer o espaço humano.

Confesso que não a conhecia. Fui impactado pela sua história, quando casualmente eu a encontrei num canal de televisão. A entrevista girava em torno de sua tentativa de melhorar as estruturas da sociedade em que está situada.

O lar de Flordelis é um canteiro de crianças rejeitadas. Elas são muitas. Fiquei comovido com a história de Rayane, uma menina que contou ter sido jogada fora pela mãe biológica, assim como se joga um objeto indesejado. Durante o relato do abandono, os olhos da menina estavam inundados de lágrimas. Motivos diversos. Mas o que prevalecia era a gratidão. Flordelis a encontrou. Ofereceu maternidade, colo aconchegante, lugar terapêutico onde o passado seria esquecido, catarse que só o amor pode fazer acontecer.

Acho interessante e sugestivo começar esta coluna com esse paralelo. Flordelis faz com a vida de seus filhos o mesmo que Djavan fez com a história triste que é a matéria prima de sua canção. Ela reveste de melodia feliz.

O lar de Flordelis é um canteiro de histórias tristes, mas lá quem prevalece é a alegria. A fórmula? A palavra que escolheu para nortear a vida de seu lar: o amor. Ela é representante da bondade. Descobriu que o mal já tem adeptos demais. Quis fazer a diferença. E fez. E faz. Flordelis é uma proposta humana que não quero perder de vista. Ela traz no coração e na mente o código que distingue um ser humano de todos os outros. Flordelis é uma canção bonita que quero escutar sempre, assim como escuto a Flor de lis de Djavan. O mundo carece dessas composições.
--------------------

Pe. Fábio de Melo
15/11/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA   Seg Nov 23, 2009 8:08 am

O DIA - 22/11/09
Um altar no ponto de ônibus


Eu olho para o mundo. A vida me afeta o tempo todo. É um exercício que faço. Resolvi ficar atento para não incorrer no erro de perder esta sensibilidade. Tenho medo de fechar o canal por onde o cotidiano me acessa, adentra os meus espaços, repousa em mim.

Vez em quando eu me percebo acostumado aos absurdos do mundo, ou então incapaz de me alegrar com as alegrias que as esquinas resguardam. O motivo é simples. Sou contemporâneo. Estou exposto às demandas urgentes que meu contexto histórico me apresenta. Estou mergulhado nas estruturas deste mundo líquido, neste movimento de dias cuja metáfora é o fluir das águas que entre os dedos escapa.

As interpelações são muitas. Meu corpo único precisa administrar deslocamentos muitos. Discrepância que reconheço como revelação de uma realidade que me define como pessoa. Meu corpo é moderno, mas minha alma é antiga. Meu corpo é afeito às pressas, agendas, compromissos, ao passo que minha alma grita e reclama desejosa de calmaria.

Tenho encontrado muita gente sofrendo do mesmo mal. A origem de muitas angústias está diretamente ligada ao contexto de pressas e urgências que nos cercam. As cenas estão por todos os lados. Há sempre alguém estabelecendo o embate com o tempo. Gente que precisa articular as pressas do mundo com os desejos da alma.

Olho para a mulher simples que aguarda pelo ônibus que a conduzirá ao destino de sua casa. Os olhos parecem cansados com a espera. Deve ter passado o dia todo longe de seus significados, cuidando de filhos que não são seus, organizando a casa que não é a sua.

Eu a observo de longe, enquanto espero do meu carro o desenrolar do trânsito.

Vez em quando os seus olhos se perdem no pequeno relógio que está atado ao pulso. Olha como se quisesse paralisar o movimento dos ponteiros que a envelhece. Olha como se desejasse fazer andar lento o tempo que lhe sobra para estar com os seus.

As sacolas plásticas segredam a pobreza do que ali se leva, mas não é intencional. A mulher não parece temer a revelação de sua simplicidade. Não há tempo para simulações. Tudo está à vista, pronto para ser desvendado, tal qual o enegrecimento do céu anunciando a chuva que virá.

A mulher e o tempo. Nela nós também nos reconhecemos. Nós e nossas esperas. Inadequações que nascem da vida que nos afeta, do tempo que nos esbarra.

A experiência nos ensina que nem sempre é possível viver conforme o nosso desejo. Não temos como romper a prevalência das agendas tão prontas e acabadas. Mas nestes intervalos de obrigações e compromissos é interessante que a alma permaneça desarmada. O cotidiano é prenhe de simbologias que nos propõem valores superiores, transcendentes. Pelas ruas das cidades há sempre um altar erigido, vida humana sendo santificada mediante o rito que o amor sugere. A mesa está posta. Sejam todos bem vindos ao banquete que no ponto de ônibus eu encontrei.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
22/11/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Uma história sugestiva   Ter Jan 05, 2010 7:03 pm

O DIA - 29/11/09
Uma história sugestiva


Tive a oportunidade de conhecer a África do Sul. Uma viagem fascinante. A grandeza do país está exposta nos pequenos detalhes. Um lugar onde as cores prevalecem. Nas paredes, na paisagem, nos tecidos e nas almas.

A África é um país musical. Em tudo há a prevalência de um som orgânico, nascido dos lugares, emitido sem reservas, sem descanso. Brota da natureza e das bocas. Nasce ao som de tambores e instrumentos rudimentares retirados do contexto da utilidade doméstica. Vida pragmática sendo transformada em vida simbólica. Criatividade de um povo que reconhece a vida como território da revelação divina. Aliás, admiro muito as comunidades humanas que não caíram na resolução fácil que divide o mundo em duas partes: sagrado e profano.

Sempre tive predileção pela musicalidade negra. Acho instigante a construção melódica que costura numa mesma pauta acordes felizes e acordes tristes. Mixórdia que revela a luta de antepassados; homens e mulheres que construíram a história que hoje perpassa o canto que meus ouvidos escutam. De um lado, os colonizadores, invasores que resolveram estender os poderes de suas pátrias, obedecendo ao instinto rudimentar do poder.

Força que legitima os absurdos das guerras, invasões, e outras irracionalidades humanas. De outro, os colonizados, os legítimos donos da terra, os curadores do espaço. Música que conta os sofrimentos do degredo, mas que também revela as esperanças que a escravidão não conseguiu sufocar.

Durante a viagem pude ouvir muitas histórias sobre diferentes tribos africanas. Uma delas me comoveu. Uma história musical. É o relato de um costume preservado por uma tribo. Para cada criança que nasce uma música é composta. Uma oferenda que marca a entrada da criança no mundo. Música que estará diretamente ligada à identidade pessoal. Ela cumpre papel de ser a trilha que sonoriza os momentos importantes da vida daquele que a recebeu.

Há um fato interessante. Segundo a história que ouvi, além de ser cantada nas celebrações felizes, a música é utilizada por ocasião de grandes deslizes cometidos pela proprietária da música. Funciona como uma espécie de purificação. Ao perceber o desvio de caminho, a comunidade se reúne e canta, para que a pessoa, ao ouvir a sua música, possa ter a possibilidade de voltar ao formato original, ao início de tudo, momento em que a música lhe foi ofertada. Esse costume me fez pensar no quanto é necessário ter um referencial que nos faça voltar ao estado primeiro das coisas. Uma voz, uma palavra, um lugar, uma música, enfim, qualquer coisa que pertencesse à nossa memória afetiva, e que tivesse o poder de nos fazer voltar a nós mesmos. Algo que pudesse nos fazer enxergar melhor o contexto de nossas escolhas. Algo que nos ajudasse na reconciliação com nossos limites, sobretudo no momento em que os erros prevalecem sobre os acertos e a vida se apresenta difícil demais diante de nossos olhos. A história me fez refletir sobre a arte de recomeçar.

Verdade ou lenda? Não importa. A história já virou verdade em mim. A partir de hoje quero estar atento a tudo o que me recorda quem sou. Esteja também. Mais cedo ou mais tarde precisaremos deste instrumental.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
29/11/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**


Última edição por Michelli_Brainer em Ter Jan 05, 2010 7:23 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Reminiscências   Ter Jan 05, 2010 7:05 pm

O DIA - 06/12/09
Reminiscências


Gosto de recordar. Minhas reminiscências me contextualizam no agora que me envolve. É simples. O passado vivido serve como ponto de apoio para a interpretação que faço do presente. Eu sei quem sou, mas em partes. Meu saber tem limites. Está coberto por uma névoa existencial que reconheço instigante. A acessibilidade do que sou passa pelo empenho cuidadoso de minhas investigações. É uma aventura que requer cuidados. Não posso atentar contra o mistério do que sou, antes do tempo. A revelação humana é processual. Dá-se aos poucos, assim como a poesia se dá ao poeta.

Quero ampliar cada vez mais o aperfeiçoamento deste conhecimento. A memória me auxilia. Busco nos registros do passado os detalhes que estão esparramados pelas idades da vida. A infância é um campo fértil destes detalhes. Recordo-me dos primeiros registros que tenho. O menino que sofria de tantos medos ainda está aqui. Dorme nos braços do adulto que me tornei. Eu embalando a mim mesmo. Jeito interessante de reconciliar as fases do tempo num mesmo espaço. Terapia que realizamos sem consultório, quando pela força do entendimento somos capazes de conceder perdão aos erros que cometemos ao longo de nossa história. O adulto olha nos olhos do menino e o aconselha ser mais leve. Propõe que os traumas do passado sejam esquecidos.

Aplica-lhe a pedagogia que sugere que erros não são fontes de castigos, mas de virtudes. Segura pela mão, acende a luz do quarto escuro e o convence que fantasmas não existem.

No movimento cíclico das recordações é possível descobrir caminhos que nos oferecem soluções para questões antigas.

É como sair de casa em busca de um tesouro perdido. Anos e anos de busca até que um acontecimento simples nos faz compreender que o tesouro tão desejado estava enterrado no jardim de nossa primeira morada. E então o caminho de volta. A regressão que nos devolve às raízes.

Recordar é viver. Creio no dito. Eu o experimento. Por vezes me pego sentido saudades de odores de um tempo há muito já sepultado. Um fio de boa lembrança pode nos fazer reencontrar amores antigos, pisar terras distantes, recordar sabores esquecidos.

Que mecanismo é este? Que força é essa que me conduz a uma cronologia que os relógios já não podem comandar? Um fio tênue está interligando as memórias que resguardo? O homem que cresceu ainda tem direito de chorar pelas mesmas causas do menino? Guarde as respostas.

Vejo os velhos com admiração. Sempre gostei de tê-los por perto. São contextos de riquíssimas consumações. Quando bem vivida, a velhice é a fase da síntese humana. Todas as etapas estão reunidas, sentadas à mesa. O banquete da vida está posto. Os inúmeros personagens que vivemos se entreolham. O que agora está à mesa são os frutos que foram forjados em diferentes épocas.

Os rostos envelhecidos contemplam os rostos mais jovens. As diferenças estão reconciliadas. O rosto final comanda o encontro. É nele que todos os outros descobrem se a vida valeu a pena. Ou não.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
06/12/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**


Última edição por Michelli_Brainer em Ter Jan 05, 2010 7:22 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: A fé que nasce do medo   Ter Jan 05, 2010 7:08 pm

O DIA - 13/12/09
A fé que nasce do medo


Já tive medo de Deus. Inúmeras vezes. Nos tempos da infância ouvi dizer que Ele tinha olhos imensos que não nos perdiam de vista. A frase servia como alerta. Ficava de olho nos deslizes cometidos pela humanidade. Os castigos provinham dessa observância. Isso me fez perder a espontaneidade de errar. O erro, processo natural da condição humana, tornou-se motivo de culpas e autopunições. Levei tempo para reconsiderar o ensinamento. A responsável pela reconstrução foi minha mãe.

Mesmo não tendo frequentado faculdade de Teologia, ela me fez compreender de maneira diferente o tamanho dos olhos divinos. Eles são grandes porque amam. Para que você se sinta protegido por eles, disse-me com simplicidade, sem rodeios.

A frase de minha mãe repercutiu dentro de mim. Foi a partir dela que eu tive a graça de compreender que vigilância também é amor. Ela me deu oportunidade de iniciar um processo de reconciliação interior, cujo fruto eu ainda não colhi na totalidade, pois pertence ao processo da vida toda. Aprendizado que propõe uma antropologia positiva, otimista, capaz de ver esperanças no coração humano, mesmo sabendo que ele é território de contradições.

Mais tarde, depois de ter tido a graça de conhecer a escrita vigorosa da mineira Adélia Prado, tive contato com um verso surpreendente que está no seu poema “Filhinha”. O verso é religioso. Parece fazer parte de um processo de reconstrução da imagem divina. A autora diz: “Deus não é severo mais. Suas rugas, sua boca vincada são marcas de expressão de tanto sorrir pra mim.”

Fiquei comovido com a singeleza da confissão. Revela uma ousadia na compreensão do Sagrado. Uma mística irreverente, capaz de rasgar o véu do templo, mas sem promover a banalização do espaço. O verso é boa nova, pois é anúncio de uma descoberta pessoal que tem o poder de mudar a interpretação que a poetisa faz de si mesma. Ela também deve ter crescido sob a égide de um discurso religioso fortemente marcado pelas ameaças de vigilância e punições.

É bem provável que Adélia tenha sido vítima das consequências desastrosas do discurso que ensina o amor a Deus a partir do medo. É estranho, mas a instrumentalização do medo sempre fez parte do contexto das religiões. É um recurso simples. Gera efeito rápido, obediência. Mas não é recurso eficaz.

O medo paralisa, impede a reflexão. Religião que não faz refletir pode ser nociva. A obediência cega não costuma fomentar valores consistentes. Limita-se a ser a reprodução de um comportamento que deixará de ser considerado, no momento em que cessar a vigilância. Religião pode nos fazer amadurecer, mas pode também nos infantilizar. Depende da Antropologia que sustenta a reflexão humana. Depende da Teologia que viabiliza a Revelação divina. É neste ponto que as estradas se encontram. A interpretação que fazemos de Deus reflete diretamente na interpretação que fazemos de nós mesmos.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
13/12/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**


Última edição por Michelli_Brainer em Ter Jan 05, 2010 7:22 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Viva Lucinha Araújo   Ter Jan 05, 2010 7:10 pm

O DIA - 20/12/09
Viva Lucinha Araújo


Conheci de perto a Sociedade Viva Cazuza, iniciativa já conhecida e liderada por Lucinha Araujo, mãe do poeta que deu nome à casa que abriga crianças portadoras do vírus HIV.

Andando pela estrutura, gentilmente acompanhado por Cristina, uma das lideranças que Lucinha trouxe para o trabalho, pude experimentar um sentimento bom que me fez concluir: o mundo tem jeito! Não há pessimismo humano que sobreviva a uma visita àquele lugar.

O aspecto é de casa. Em nada podemos reconhecer o molde tradicional que prevalece em instituições de caridade. As paredes são vivas, cheias de detalhes que pertencem à vida daqueles que ali moram. Ursinhos, bandeiras do Flamengo, bonecas, pôsteres de artistas consagrados, tudo nos sugere que as crianças são consideradas em suas particularidades. O espaço público se esforça para ser também particular. Jeito simples de permitir que a criança não se sinta perdida no mundo, já que há uma orfandade inegável, comprovada, documentada, mas que felizmente não alcança a vida prática.

Os agentes dessa proeza são muitos. São funcionários, voluntários, artistas, amigos que conhecem a luta diária para que o espaço não feche as portas. Gente que se empresta em generosa participação, manutenção de um sonho nobre. Sonho que nasceu da dor de perder um filho, momento em que a vida foi dissonante na pauta, tornando o canto triste, solitário, quase insuportável.

A sociedade é uma reação criativa da mulher que tem rosto conhecido. Ficou definitivamente imortalizada no filme que narrou a trajetória do seu filho, o controverso Cazuza.

Lucinha Araujo é portadora de um sorriso bonito, marcado por uma timidez enganosa. Ela é destemida. Descobriu na solidariedade o instrumental que precisava para superar a perda do filho único. Viveu um parto às avessas. Ao sepultar o seu principal vínculo com o mundo, apressou-se em ressuscitá-lo através de uma iniciativa que é muito mais que paredes de tijolos.

O espaço criado por ela é fortemente marcado pela vida de seu filho. Justa forma de manter-se presa ao motivo inicial. E nisso está a diferença. Através da Sociedade, Lucinha traz Cazuza de volta ao mundo. Mas com uma diferença. Sem drogas e sem Aids.

Através daquelas crianças, Lucinha retira o filho da morte, corrige o passado, reconcilia-se com sua dor, volta a ser feliz. Interfere no processo humano de pessoas que até então não faziam parte de seu mundo, de seu contexto, de seu horizonte de sentido. A sua luta não se limita ao cuidado primoroso que tem com as crianças que são vítimas desta herança cruel. É preciso ir além. É preciso alcançar a causa que gera o problema, mediante campanhas que conscientizem que a disseminação do vírus ainda é um problema social grave.

É o retorno do poeta. Ele não morreu. Retorna sem seus exageros, sem seus abandonos, sem suas misérias. Retorna iluminado pela atitude materna que o redime.

A Sociedade tem precisado de ajuda. Precisa de coisas simples. Remédios, alimentos, roupas, serviços. Precisa de tudo o que faz parte do cotidiano de uma criança. Mobilize-se para ajudar.

Ao divulgar pelo twitter a minha visita à Sociedade, pessoas do Brasil inteiro manifestaram o carinho e respeito à Instituição. Mas no mesmo dia, alguém fez questão de encaminhar um email preconceituoso, falando absurdos do poeta. Minha resposta foi simples, e aqui a reproduzo: ” A mim não interessa o que Cazuza fez ou deixou de fazer de sua vida. A mim interessa é o que sua mãe fez e faz a partir de sua morte.” Por isso eu digo: Viva Lucinha Araujo!

--------------------

Pe. Fábio de Melo
20/12/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**


Última edição por Michelli_Brainer em Ter Jan 05, 2010 7:19 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Re: MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA   Ter Jan 05, 2010 7:11 pm

O DIA - 27/12/09
Natais e mudas de alface


A manhã chuvosa parecia costurada nos embaraços de uma noite mal dormida. O vulto de mulher prateado pelos raios de um sol recém nascido recolhia do tempo as agruras de saber-se temporário, imperfeito, afeito aos desajustes de um amor que adormeceu, mas que não desaprendera de amanhecer.

Era um corpo de dor, de menstruadas esperanças, de saudades e partos. Corpo de mãe, corpo de cumprir ofício de curar joelhos esfolados, de dar banhos que tinham o poder de lavar corpos e almas num mesmo acontecimento.

Corpo de amamentar filhos que crescem.

Aquela mulher e aquelas manhãs de dezembro. As recordações de seu tempo de menina, pobreza reconhecida, trazida na cara e denunciada pela moldura de olhos que não sabiam mentir.

O plantio programado, compromisso que nem mesmo a dor acontecida nas recentes horas poderia adiar, tinha ares de ritual religioso. A sementeira ao lado, moldada numa caixa de papelão resistente, sobre o canteiro que nasceu de suas mãos pequenas, esperava pela oportunidade de cumprir no tempo o destino de dar continuidade à obra da criação.

Morrer e viver são atos que se conjugam sem pressa.

A mulher sabia de tudo isso. As mudas miúdas também. Dotadas de sabedoria vegetal, cresciam ao seu tempo com a mesma simplicidade que é própria de quem não procura outro destino senão o seu.
Aquela mulher sabia mais. As mudas não mudam.

São sempre as mesmas desde o tempo de sua mãe. Ofício aprendido que se estende no tempo, feito consumação de uma despedida que se cumpre aos poucos, bem aos poucos.

Mudas de alface estão carregadas de sentido. Nelas, prepara-se o futuro que afugenta a fome, traz variações ao modo de carecer.

Recordo-me com saudade. O tempo era de chuvas. Jabuticabeiras explodiam.

Pequenos frutos pendurados em seu corpo de árvore-mãe, tal qual a minha mãe e seus meninos pendurados na cintura, entrelaçados nas pernas e puxando seus braços.

Dezembro tinha cores e histórias diferentes. Vitrines iluminadas, cartões de ocasião sendo preparados pela minha irmã, para que mesmo com simplicidade pudéssemos desejar votos de felicidades.

Presépio sendo retirado da caixa, árvores coloridas de bolas vermelhas, anunciando que nossa pobreza seria ainda mais exposta. Mas não havia problema. Nossa árvore, mesmo tão pobre, já era nossa alegria. As jabuticabeiras nos curavam de tudo...

Minha mãe e sua capacidade de replantar o mundo a partir de mudas de alface era o símbolo mais vivo de nosso Natal. Com seu jeito simples e hábitos rotineiros, ela condensava todas as virtudes que o acontecimento nos sugeria.

“O menino Jesus é quem merece presente neste dia!”, ensinava-nos como se quisesse modificar a ordem do mundo.

E assim acreditávamos.

Nossos presentes eram poucos. Quase nenhum. Só mesmo para não passar em branco, mas o mais importante nós não deixávamos de receber. O sorriso farto, a oração em família, a missa do galo e o nosso Natal já estava completo.

Aquela mulher nos fazia esquecer o que não tínhamos. Transplantava-nos, como fazia com as mudas de alface.
Deixávamos o chão estreito da sementeira e caíamos com nossas raízes nos canteiros fartos da simplicidade que ela sabia construir.

E assim era o nosso Natal.

Um acontecimento para nunca mais esquecer.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
27/12/2009
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**


Última edição por Michelli_Brainer em Ter Jan 05, 2010 7:20 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: O novo ano sob a ótica do menino   Ter Jan 05, 2010 7:13 pm

O DIA - 03/01/10
O novo ano sob a ótica do menino


O menino quis saber o significado do ano novo. Tentei dizer. Busquei as frases prontas que são tão comuns à essa época do ano, e prontamente me coloquei a repeti-las. Percebi que ele escutava tudo o que eu dizia, mas sem muito interesse. Ele voltou a insistir. Queria saber se haveria algum sinal que pudesse sinalizar a mudança do ano velho para o ano novo.

Eu fiquei desconcertado. Eu confesso que o único sinal que me ocorreu foi a famosa queima de fogos que acontece na praia de Copacabana. Não tive coragem de dizer. Apesar da pouca idade, o menino buscava por um significado mais profundo a respeito do tempo. Sem muitos rodeios ele argumentou que não conseguia perceber muito sentido nessa história de ano novo. Ele tinha uma visão prática da vida. E sobre ela me falou. Buscou realidades simples do seu contexto e exemplificou para que eu pudesse entender sua dúvida. O menino estava coberto de razão. Sua visão prática era coerente, lúcida. Não há nada de novo no ano novo. O que muda é o relógio, o calendário, mas a vida continua o seu remanso de sempre.

Foi então que busquei extrapolar o seu discurso prático e lhe ofereci algumas porções do meu discurso simbólico. Eu também precisava sobreviver àquela conversa. Não queria sair dela embebido daquela praticidade que poderia ruir minha capacidade de acreditar que existe alguma novidade à minha espera com o romper da nova década. O menino me olhava interessado. Falei sobre o tempo e seus ciclos. Falei da psicologia das horas.

Argumentei que a demarcação das datas pode ter repercussão nas almas das pessoas. A oportunidade de virar o calendário pode ter efeito positivo sobre aquele que se sente pesado, angustiado, sem esperanças. Comparei o ano velho a uma gaveta que precisa ser limpa. Guardamos mutas coisas desnecessárias. Chega o momento em que precisamos fazer a triagem. É necessário limpar, jogar fora, abrir espaços para coisas novas. Ano novo e gaveta limpa podem ter os mesmos sentidos, sugeri.

Toda vez que nós temos a sensação de um novo tempo, é natural que nossas almas sejam invadidas por esperanças. Faz parte do processo humano sofrer de esperanças.

A esperança é uma espécie de instinto de sobrevivência. O cansaço dos tempos idos pode dispor o nosso coração à possibilidade de mudanças. É como se houvesse uma saturação. Não queremos mais o peso do passado. Precisamos de outra oportunidade. O calendário novo nos oferece essa sensação. Ao saber que o ano velho está sendo finalizado, é possível que você se encha de expectativas importantes.

O menino me olhou com carinho e agradeceu. Voltou para o seu mundo de brinquedos e deixou-me diante da necessidade de conciliar os dois discursos. O prático e o simbólico. Desaforo. O discurso prático parece humilhar o discurso simbólico. Ele resolve porque é dotado de clareza. É lógico, curto, asfixiante. E foi assim que recebi o ano novo.

Tentando equilibrar os dois discursos dentro de mim. Vez em quando eu me recordo da ótica do menino. Eu não a desconsidero. Ele tem razão. Se a gente não se empenhar na construção de um novo tempo, nada acontecerá. O ano novo será mesmice, repetição de erros, acomodação de posturas, condução medíocre de oportunidades, explosão de fogos que oferece brilho breve, assustadoramente fugaz. Mas não precisa ser assim. Há sempre um motivo novo abscôndito nas velhas estruturas da condição humana. A isso chamamos de evolução, superação. O menino me ajudou com sua ótica. Perdi o medo de ser prático na minha reflexão sobre o tempo.

De fato, nada mudou. Mas também não posso deixar de admitir que há um vento suave me conduzindo para o coração do futuro. E assim eu vou. Abraçando o presente, passando o passado, aprendendo com essa dinâmica interessante, inventada por alguém que não sei dizer, que faz o ano velho ser novo de novo.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
03/01/2010
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Ser feliz dá trabalho   Qua Jan 20, 2010 6:53 pm

O DIA - 10/01/10
Ser feliz dá trabalho


O poeta dizia: “Tristeza não tem fim, felicidade sim!” Tinha ele razão? Não sei. O que sei é que neste imenso mercado em que se tornou a vida, encontramos ilusões temporárias sendo vendidas como se fossem felicidades duradouras.

O empenho...
Ser feliz dá trabalho. Há quem diga que não. Acredita nas fórmulas mágicas que esta literatura contemporânea nos oferece, prometendo-nos uma série de felicidades, que segundo aqueles que a produzem, podem ser conquistadas com a aplicação das receitas por eles oferecidas.

Há quem preveja o futuro. Garante ler nas mãos as rotas do amanhã, os amores que virão, os sofrimentos que chegarão e os fatos que mudarão a história. Há quem creia nos búzios, nos tarôs, nas simpatias que atraem sorte e até mesmo nas promessas que insistem em mercantilizar o que por natureza é gratuito em Deus.

Eu continuo sem crer em tudo isso. Ainda prefiro ver a vida, o novo ano, as novas possibilidades como um novelo misterioso que trago preso a mim, pela ponta. Viver consiste em deixar o novelo se desprender das mãos. No gesto de deixá-lo cair, permanecem duas perspectivas: o cuidado de segurar a ponta para que não se perca de nossas mãos e a liberdade para que se desenrole de acordo com o movimento. Nisto está a beleza: a previsão responsável e o espaço para a surpresa.

Felicidade também é uma forma de planejamento. Arquitetamos os sonhos, somamos os recursos, projetamos as iniciativas, marcamos datas, sacrificamos alguns exageros, reduzimos os supérfluos, construímos esperanças. Mas é também surpresa. Um bilhete na geladeira, um encontro inesperado, uma declaração de amor, um telefonema de quem andava sumido, uma graça do menino malabarista no semáforo da esquina, um bolo de fubá escondido no forno e um recadinho da mãe colado na porta: “Fiz pra você!”

Tudo vai nos despertando sorrisos, vontade de viver, de cantar aquela música brega, de dar vexame em público, de dizer que ama, que ama, que ama.

ILUSÕES TEMPORÁRIAS...
Inicio de ano é assim. Quando nos damos por nós, tudo já está programado. O calendário já está riscado até dezembro, a agenda já está programada e não há espaço nem para a possibilidade de uma gripe inesperada. Tudo deverá ser cumprido com rigor espartano! Planejar é bom. Ruim é não deixar espaço para a criatividade da hora.

Há quem faça o planejamento em cima de previsões mágicas. Os bruxos de plantão insistem em dizer que tudo isso dá certo. Eu acredito só na metade da previsão. É previsível só o que o bom senso já nos anuncia como verdade. O resto é conversa de quem não tem o que fazer, de gente desempregada que insiste em cuidar da vida alheia ao invés de cuidar da própria vida. Gente que vende felicidades prontas para o consumo, que dispensa o esforço e que garanta um resultado maravilhoso.

Felicidades encaixotadas, prontas para serem vendidas, comercializadas, trocadas, excluídas. Comércio que insiste em nos convencer de que tem a solução para os nossos problemas. Felicidade fácil. Aparelhos que prometem nos emagrecer, enquanto comemos pipoca amontoados no sofá da sala. Cápsulas milagrosas que vão comendo a gordura da nossa preguiça enquanto continuamos preguiçosos, comendo as coisas que nos fazem mal, insistindo em expor o nosso corpo a todos os malefícios das gorduras saturadas, hidrogenadas e outros adas...

Aparelhos que modelam a nossa barriga enquanto dormimos, cremes que fazem desaparecer do rosto aquilo que a vida levou anos para criar. Tudo rápido, fácil, sem esforço. Felicidades provisórias. Coisa de gente que não quer o esforço de um exercício que faz bem pro coração. Ampolas que dão ao corpo a massa muscular que o organismo levaria dois anos para alcançar. Felicidades sem volta. Morte silenciosa que vai comprometendo o interior da carne para que a exterioridade pareça forte.

Felicidades futuras. Coisa de gente que projeta o início da dieta para segunda feira, que diz que pára de fumar quando quer, que só bebe socialmente, que não é escravo de nada, que sabe muito bem o que está fazendo. Felicidades mentirosas. Falas decoradas de quem não tem coragem de dizer que falhou, que não deu certo, que escolheu o caminho errado e que não soube voltar atrás. Coisa de gente que insiste em viver os dias só para vê-los passar. Felicidades que enganam. Gente que jura amor eterno já sabendo que não poderá ficar.

FELICIDADES DURADOURAS...
Por outro lado, há um jeito interessante de ser feliz. Felicidades responsáveis. Gestos que nos ajudam a reconstruir a vida, encurtar as distâncias, promover as dietas, diminuir as gorduras. Vida que tem horário marcado para o cuidado do corpo, sem desculpas, sem embromos e sem enrolação. Felicidades partilhadas. Descobrir que repartir o instante feliz é uma forma de multiplicá-lo, fazê-lo eterno. Perceber que belezas superiores insistem em se esconder em belezas menores, pouco atraentes.

Felicidades sem aviso. Reencontros inesperados, presente que se recebe sem razão, comemorações sem datas especiais. Pequenos gestos que fazem a diferença na soma de tudo. Vida que se comemora só por comemorar, só por reconhecer o que nela é único, irrepetível, singular. Eu espero que este novo ano seja um tempo propício para felicidades verdadeiras.

Eu não tenho nenhuma previsão para sua vida. Para mim, não importa se Saturno está na linha de Júpiter ou se as cartas revelaram verdades ocultas a respeito de quem quer que seja. O que sei é que a vida continua amanhecendo, com ou sem a minha previsão. O inesperado ainda é a metade mais viva da vida. Programe-se bem para este novo ano. Só quem se programa e cumpre bem o que se propôs saberá lidar com as surpresas. No mais, eu lhe desejo muitas e muitas felicidades sem aviso, sem previsões...

--------------------

Pe. Fábio de Melo
10/01/2010
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: Crer em Deus em tempos de tragédia   Qua Jan 20, 2010 6:55 pm

O DIA - 17/01/10
Crer em Deus em tempos de tragédia


Eu estava no saguão do aeroporto quando um rapaz se aproximou. Suas palavras foram poucas. “Só os limitados intelectualmente acreditam em Deus!” Disse e saiu.

Eu fiquei engasgado com sua afronta. Num primeiro momento o meu desejo era dizer-lhe uns desaforos, mas não tive tempo.
Sua frase me perseguiu ao longo de todo o dia, mas aos poucos ela foi perdendo o seu poder de agressão.

A frase do rapaz me fez lembrar a regra de ouro da Hermenêutica, a ciência da interpretação. “Todo texto pede um contexto.” Eu não tive tempo para compreender o contexto da frase. Não sei qual foi a experiência religiosa que fomentou aquela compreensão. É bem provável que o rapaz tenha sido vítima de um discurso religioso opressor, pouco sensato. Esse discurso sempre fez parte das culturas humanas. Ensina uma crença que passa longe do bom senso. Interpreta o livro santo ao pé da letra, fundamenta em textos descontextualizados, e justifica com parcas teologias as absurdas caricaturas divinas que foram elevadas aos altares.

O insulto do rapaz me fez pensar na forma como creio em Deus.

Fez-me recordar meu tempo de magistério, quando em sala de aula eu vivia o desafio de propor que a religião só é possível quando os joelhos no chão sustentam uma cabeça que não tem medo de pensar. A fé em Deus não é afronta à inteligência. Não é preciso abrir mão da capacidade intelectiva para admitir a transcendência. E sobre isso gostaria de ter falado ao jovem moço.

Crer em Deus é mais trabalhoso do que não crer. Como tão bem sugeria o escritor mineiro, Guimarães Rosa, a fé é o discurso da terceira margem. Requer abstrações muito elaboradas. É através delas que interpretamos o mundo. Deus não nos aliena, mas nos contextualiza. É simples. Eu acredito na proteção divina, mas olho para os dois lados da rua antes de atravessá-la. É uma questão de bom senso. Não posso crer que Deus venha fazer por mim aquilo que só a mim compete. Não sei quem foi que disse, mas há uma frase bastante sugestiva que gosto muito “Nós só temos o direito de esperar pelo impossível depois de termos feito tudo o que nos foi possível.”
É verdade. Crer em Deus dessa forma é razoável. Não é nenhuma afronta à inteligência humana admitir essa crença. A maturidade espiritual nos sugere que a ação humana legitima no tempo a ação de Deus. Só assim podemos compreender o cuidado divino. O bem que Deus quer para o mundo passa o tempo todo pelas escolhas que fazemos. Se eu me descuido das questões do meu tempo é bem provável que Deus perca a oportunidade de agir no espaço onde estou situado. O ser humano é local teológico privilegiado da ação divina.
É por isso que a fé encarnada, vivida e experimentada sem alienações só pode fazer bem à sociedade. O mundo seria bem melhor se os religiosos do nosso tempo pregassem um pouco mais essa parceria: humano-divina. Deus nos concedendo os dons necessários, e nós realizando a tarefa nossa de cada dia. Talvez assim a gente conseguisse diminuir as tragédias no mundo.

--------------------

Pe. Fábio de Melo
10/01/2010
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Michelli_Brainer

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/08/2008
Idade : 38

MensagemAssunto: O medo é bom porque não nos enche de falsa coragem   Ter Jan 26, 2010 7:55 pm

O DIA - 24/11/09

O medo é bom porque não nos enche de falsa coragem

Eu tenho medo. Mas não tenho medo de ter medo.

Medo é o avesso da coragem. É por meio dele que eu alcanço algumas vitórias. Quem não tem medo corre o risco de se tornar um herói sem graça, pronto demais. A vida é bonita justamente por ser inacabada.

A metade que falta, o detalhe que ainda não alcançamos, o objetivo que ainda está pela metade. Tudo se torna mais bonito quando visto do avesso.

Os medos também. Há muitos tipos e estão por toda parte: medo de não vencer, de não chegar, de não saber, de não consequir, de subir a escada, de errar no tempero, de perder, de morrer...

O avesso do medo é o cuidado redobrado, porque quem tem medo, cuida. Não se expõe ao perigo, mas resguarda.

O medo é bom, porque não nos enche de falsa coragem. O medo nos torna reais, nos mostra quem somos, mensura o tamanho de nossas pernas...

O medo nos coloca no nosso lugar e nos prepara para o sorriso do pódio. Há medos que nos paralisam. São temores doentios.

Eles nos entorpecem, nos amarram e precisam ser vencidos. Precisam ser olhados de frente, para que voltem à condição de medo, apenas...

Medo saudável. Medo que me faz ser humano na medida certa, porque no humano bem medido, o divino prevalece. Só isso.

O resto é lição que a lousa da vida espera por ser escrita

--------------------

Pe. Fábio de Melo
24/01/2010
Extraído do O Dia

_________________
Michelli Brainer
Recife-PE
**moderadora**
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
MENSAGEM DOMINICAL DO JORNAL O DIA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Judeus não publicam fotos de mulheres. Jornal judaico apaga Hillary Clinton de foto histórica
» Mensagem de ano novo
» UMA MENSAGEM DE FE,ESPERANÇA E CONFIANÇA NAQUELE QUE TE FORTALECE
» MENSAGEM DE FE E OTMISMO, CONFIE SEMPRE NO SENHOR
» Logaritmo - (mensagem codificada)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Padre Fábio de Melo :: Forum :: Geral :: Poetizando-
Ir para:  

marcas do eterno - Fabio de MeloCriar fórum | © phpBB | Fórum grátis de ajuda | Assinalar uma queixa | Criar um fórum